Motoristas culpam empresas por falta de troco de R$ 0,05 nos ônibus

 falta de troco, que vai ser apurada pelo Ministério Público, nos ônibus não é culpa dos motoristas, afirma o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro (Sintraturb Rio). Essa é uma reclamação dos usuários do sistema no Rio desde quando a tarifa passou para R$ 3,95. Segundo os passageiros, é raro receber os R$ 0,05. De acordo com o sindicato, Sebastião José, é cada vez maior o número de motoristas que denunciam que são obrigados a sair das garagens sem o dinheiro para o troco.

— Para acabar não se indispondo com o passageiro, eles às vezes dão R$ 0,10 de troco. Porém, no final do dia, a prestação de conta acaba não batendo e eles precisam assinar um vale com o valor de diferença para serem descontados no fim do mês — diz.

O Ministério Público do Rio entrou com uma denúncia contra o Consórcio Internorte, responsável pela linha 232 (Lins-Praça Quinze), após uma denúncia pela ouvidoria. A 2ª Promotoria de Justiça decidiu instaurar inquérito civil e solicitar ao Consórcio Internorte de Transportes que se manifeste em 15 dias úteis, para se defender da acusação de que os motoristas desta linha não dá troco. O promotor do MPRJ Rodrigo Terra, no fim de setembro, afirmou que essa investigação pode se estender para outras linhas de ônibus da cidade.

— Caso, durante a apuração, a gente receba novas denúncias ou então apareçam informações de que a prática aconteça em outras linhas, a gente pode instaurar uma nova investigação. O que temos verificado é que as passagens saem a R$ 4.

De acordo com o Ministério Público, as empresas acabam lucrando irregularmente com esse valor não devolvido aos passageiros. A 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva e Defesa do Consumidor e do Contribuinte do MPRJ ressalta que o serviço tem “lesado os consumidores, uma vez que o valor da tarifa não é arredondado para menos ou reduzido, a fim de facilitar o troco. Com isso, motoristas e cobradores não devolvem valores, e as empresas acabam lucrando irregularmente” com os valores.

“O MPRJ requer no inquérito que a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) também se manifeste sobre a reclamação dos contribuintes, esclarecendo ‘se consta contra o investigado a aplicação de alguma penalidade administrativa referente aos fatos em análise’, remetendo à Promotoria, se existirem, os autos de infração respectivos”, afirma o MP.

O RioÔnibus informou que, de acordo com Consórcio Internorte, a empresa está empenhada em garantir o abastecimento de moedas para fornecer o troco em toda sua frota, trabalhando, inclusive, em parceria com a Casa da Moeda e o Banco Central, que enfrentam dificuldades com o fenômeno de retenção de moedas em todo país.

“O Consórcio lembra ainda que o passageiro também pode optar pelo uso do cartão RioCard. Com ele, o usuário pode recarregar todas as passagens do mês pelo site (recargafacil.riocard.com); máquinas de recarga espalhadas nas estações de BRT, metrô e VLT; e lojas da própria rede, podendo fazer o uso de cartões de débito, boleto bancário ou dinheiro”, disse a nota.

Fonte: O Extra