Estrela Azul encerra atividades no Rio após rodoviários decretarem greve por tempo indeterminado

Empresa opera linhas que circulam entre as zonas Norte e Sul do Rio e atendem a 30 mil usuários diariamente

ALEXANDRE PELEGI

A empresa de ônibus Estrela Azul informou no final da manhã desta segunda-feira, dia 4 de fevereiro de 2019, o encerramento de suas atividades no Rio de Janeiro.

A informação é do vice-presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores do Rio de Janeiro (Sintraturb Rio), que ouviu de um dos sócios da empresa que não existe mais condições de continuar operando.

O comunicado foi feito em uma reunião na sede da empresa de ônibus, que já vinha enfrentando seguidos problemas já há alguns meses.

Hoje pela manhã motoristas e cobradores dos ônibus da Estrela Azul realizaram uma paralisação.

O protesto ocorreu em decorrência do atraso no pagamento dos salários, cesta básica e vale refeição. O sindicato afirma que os funcionários não recebem há quatro meses.

Logo após a paralisação, o Sintraturb Rio realizou uma assembleia, em que ficou decidido que os cerca de 400 funcionários da viação Estrela Azul entraram em greve por tempo indeterminado.

Esta é a segunda paralisação dos empregados da empresa de ônibus, que já haviam paralisado as atividades em dezembro passado. Relembre: Funcionários da empresa de ônibus Estrela Azul realizam greve nesta terça-feira, no Rio de Janeiro e Greve de rodoviários da empresa Estrela Azul, no Rio de Janeiro, entra no segundo dia

A Estrela Azul opera linhas que atendem às zonas Norte e Sul do Rio de Janeiro.

A assembleia também decidiu que o Sintraturb-Rio entrará com ação de justa causa na Justiça contra a empresa para que os funcionários tenham os vencimentos recebidos. Com o encerramento das atividades da empresa, não se sabe como ficarão agora seus funcionários, nem como serão feitas as rescisões.

Em declaração ao jornal O Dia, o vice-presidente do Sintraturb-Rio, José Carlos, descreveu a situação dos rodoviários da Estrela Azul:

“Em dezembro do ano passado, os funcionários já haviam realizado uma paralisação de advertência, já que o acordo feito entre o sindicato e o TRT do pagamento de oito meses de salários atrasados em 24 parcelas pela empresa aos funcionários não estava sendo cumprido. A direção da empresa chegou a pagar R$ 800 referente à parte da primeira parcela de R$ 1,2 mil acordado, ficando de pagar o restante em seguida, mas não pagou ninguém. Isso é um absurdo“.

O presidente do sindicato afirmou ainda que a entidade já estava colhendo assinaturas “para que nosso jurídico dê entrada junto ao TRT (para cobrar os atrasados). Trabalhar sem receber é uma verdadeira covardia“, afirmou.

A Estrela Azul atende as seguintes linhas do consórcio Internorte, transportando cerca de 30 mil passageiros/dia:

– 292 (Engenho da Rainha x Castelo);

– 311 (Engenheiro Leal – Praça XV);

– 464 (Maracanã x Copacabana);

– 434 (Grajaú x Copacabana) e 435 (Grajaú x Gávea).

MÁ CONSERVAÇÃO DA FROTA

Na primeira semana de janeiro um homem morreu após ser atingido pelo pneu de um ônibus da Estrela Azul, que se soltou na Estrada Adhemar Bebiano, em Inhaúma, na zona Norte do Rio de Janeiro. No dia 10 de janeiro de 2019, a Prefeitura lacrou 31 veículos da empresa, por má conservação da frota. Relembre: Após pneu de ônibus se soltar, atingir e matar homem no Rio de Janeiro, Prefeitura lacra 31 veículos da empresa Estrela Azul

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Fonte: Diário do Transporte