Consórcio aciona plano emergencial para suprir linhas da Estrela Azul

Empresa anunciou seu fechamento na última segunda-feira, após paralisação de motoristas e cobradores

Após uma paralisação de motoristas e cobradores, nesta segunda-feira (4), a Estrela Azul anunciou o encerramento de suas atividades, por meio de nota divulgada pela RioÔnibus, o sindicato das empresas de ônibus do município. Segundo a companhia, os consórcios já acionaram o plano emergencial para suprir as linhas, que circulam principalmente entre as zonas norte e sul e na região do Centro.

“A empresa empenhou todos os esforços para manter a operação nos últimos meses e não deixar a população desassistida, porém não suportou as dificuldades impostas pela grave crise financeira que afeta o sistema de transporte rodoviário de passageiros do Rio de Janeiro”, escreveu a Estrela Azul.

“Os consórcios já acionaram o plano emergencial de contingência e estão trabalhando para suprir todas as linhas operadas pela empresa e evitar transtornos à população. Vale lembrar que esta é a 14ª empresa a fechar as portas desde 2015”, concluiu a nota da RioÔnibus.

No sábado (2), o preço da tarifa de ônibus municipal subiu de R$ 3,95 para R$ 4,05, medida autorizada pelo prefeito Marcelo Crivella. Até a tarde de segunda (4), a Secretaria Municipal de Transportes ainda não havia sido informada do fim da empresa. Em nota, o órgão público disse que foi informado “apenas sobre a paralisação”.

Segundo a Sintraturb Rio (Sindicato Municipal dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Rio de Janeiro), a Estrela Azul é responsável pelas linhas: 292 (Engenho da Rainha-Castelo), 311 (Engenheiro Leal-Praça 15), 464 (Maracanã-Copacabana), 434 (Grajaú-Botafogo) e 435 (Grajaú-Gávea).

O sindicato da categoria diz que vai recorrer à Justiça para que funcionários recebam seus direitos. Cerca de 400 funcionários da Estrela Azul, entre motoristas e cobradores, fizeram a paralisação no início do dia por conta do atraso no pagamento de salários, cestas básicas, vale-refeições e 13º, que estavam atrasados há quatro meses.

Após assembleia na porta da empresa, o vice-presidente do Sintraturb Rio, José Carlos, informou que o sindicato entraria com uma ação de justa causa na Justiça contra a empresa, para que os cerca de 400 funcionários tivessem seus direitos garantidos.

Segundo ele, os funcionários já haviam feito uma paralisação de advertência em dezembro. Na ocasião, o acordo, feito entre o sindicato e o TRT (Tribunal Regional de Trabalho), para o pagamento de oito meses de salários atrasados em 24 parcelas pela empresa aos funcionários, não estava sendo cumprido. Ainda segundo ele, a direção da empresa chegou a pagar R$ 800 referente a parte da primeira parcela de R$ 1,2 mil acordado, ficando de pagar o restante em seguida, o que não ocorreu.

Momentos depois, José Carlos informou que recebeu a informação de um dos sócios da empresa, Luís Carlos Martins, que a Estrela Azul estava encerrando suas atividades. O vice-presidente do sindicato disse, então, que o Sintraturb Rio vai recorrer à Justiça para que todos recebam o que é devido.

Fonte: Destak Jornal